cem-anos-de-pentecostalismo1-200x300

Segue o que estou lendo essa semana….

100 Anos de Pentecostes

ISBN 978-85-63607-17-1

466 pág.

“O biênio 2010/2011 será marcado, no campo religioso pentecostal, pelas comemorações do primeiro século do movimento em terras brasileiras. Em 1910, Oitaliano Luigi Francesconi plantou no bairro paulista do Brás a semente do que viria a ser a Congregação Cristã no Brasil. No ano seguinte, os missionários suecos, Daniel Berg e Gunnar Vingren, fundaram em Belém do Pará a igreja que viria a dar origem às Assembleias de Deus. A partir dessas duas matrizes, o movimento se ramificou e diversificou a tal ponto que o uso do plural tornou-se necessário: os pentecostalismos foram hoje um campo heterogêneo de práticas e crenças em torno de algumas ênfases teológicas comuns, discutidas ao longo dos capítulos que seguem.

O objetivo deste livro, escrito coletivamente por uma equipe de historiadores, é contribuir para as pesquisas acadêmicas interdisciplinares, que, há quase meio século, vêm estudando a estrutura e a dinâmica desse fenômeno religioso extremamente complexo e multiforme.”

Então, minhas primeiras observações a cerca desse livro é que é muito bom, realmente bem escrito, com uma linguagem extremamente amigável. Não são textos que se contentam com meia dúzia de referências e argumentos falhos, de forma alguma, mas sim textro extremamente embasados por uma vasta documentação de apoio.

Realmente me está sendo muito útil nesse inícil das minhas pesquisas a respeito do Protestantismo e Pentecostalismo brasileiro. Ainda não me descidi a respeito das problematicas que irei levantar sobre o tema no meu TCC mais com certeza esse livro vai entrar na bibliografia.

Falando sobre o capítulo 1, que foi o que li até aqui, temos um incrível panorama a cerca do Pentescolismo no Brasil, escrito por Alfredo dos Santos Oliva e Antônio Paulo Benatte, onde os autores vão tentar definir as origens desse movimento no Brasil, as movimentações nos EUA, mais precisamente em Los Angeles e Topeka que influenciaram na descisão da vinda de missiónários para o Brasil, os fundadores do que conhecemos hoje como a Assembléia de Deus e a Congregação Cristã do Brasil no inícia do século XIX, além de um estudo logo de início, do perfil dos praticantes dessa fé, além de como essas igrejas e outras mais conseguiram se espalhar no país, sobre tudo a partir da década de 1950, anos que percebemos um êxodo rural e a industrialização das cidades, promovendo assim um crescimento desenfreado das cidades e a marginalização das camadas mais baixas da sociedade, alvos dessas igejas no início dos seus trabalhos.

É isso, a medida que eu for lendo vou colocando aqui as minhas percepções sobre o livro, estou louco pra chegar no capítulo 7: Possuídos por Exús: a concepção do mal na Igreja Universal do Reino de Deus, escrito por Nicole Louise. Vou me controlar e não pular partes do livro e nem ficar dando espiadinhas no começo do capítulo.

Até mais.