Calma, calma, calma. Esse é post meio revoltado sim, mais não generalizante. Tenho visto na internet nas últimas semanas inúmeras pessoas dizendo que estão rompendo com o Gospel, como o cantor João Alexandre, por ter se tornado um meio de “fama, grana e idolatria”. Bom, se ele que está no meio descobriu isso somente agora, só falo uma coisa: sabe de nada inocente!

A cada dia que passa estamos mais e mais colocando a igreja acima da Igreja. A igreja enquanto instituição acima da Igreja de Cristo. E isso tem me deixado bem frustrado com o andamento do evangelho no Brasil. Ao passar dos anos tenho notado uma certa “preguiça” do povo em estar na casa de Deus, de orar e buscar a face do Salvador e aqui não posso ser hipócrita e tenho que confessar: essa preguiça tem me contagiado.

Agora o que mais me desespera, com certeza é o chamado mercado gospel. Temos de tudo para os crentes, Livros, bíblias, CD’s, DVD’s, camisetas, chaveiros canetas, canecas, copos, tv por assinatura, Show, e até, pasmem, sexshop gospel.

Essa mercantilização da fé pode ser vista de forma muito clara nas igrejas adeptas à Teologia da Prosperidade na chamada música gospel. E é ai que o bicho pega. A música gospel chega ao Brasil fim da década de 80 início de 90 e de lá pra cá vem se alastrando pelo país a fora como um câncer cultural evangélico. No começo, muita coisa boa, mais de uns tempos pra cá, Santo Deus, começamos com uma espécie de terrorismo gospel, onde “ninguém pode tocar no ungido” porque vai sofrer as consequências.

Mais agora o pior de tudo é o que esse mercado tem feito com os “pobres” cantores. Acho que por puro desespero de não conseguir compor ou para copiar a fórmula de sucesso dos outros, tem trazido uma enxurrada de versões mal feitas e lançadas sem nenhuma culpa ou peso na consciência. Quem é muito mestre em fazer isso é a Aline Barros, como pode ser visto no exemplo abaixo:

Veja essa música que ela gravou:

Legal né! Só que não. Teu tudo é Teu é o nome da música e olha de onde ela COPIOU descaradamente:

Take It All da Hilsong. Bem melhor.

O Diante do Trono vive fazendo isso. O maior sucesso deles é uma cópia dessa mesma banda. O Fernandinho ( não é o Beira Mar) também lança mão das cópias, além do Toque no Altar. Um dos maiores sucessos dessa banda, senão o maior é também uma cópia:

Cópia dessa música aqui:

Let It Rain e quem canta é o Bishop Paul S. Morton. Mais nem só de cópia vive a música gospel brasileira. Tem muita coisa autoral que simplismente é horrível:

Ai a minha pergunta é: O que essas músicas tem contribuído para a expansão do evangelho de Cristo? Na minha opinião não tem nada de embasamento bíblico e servem apenas de puro e simples entretenimento barato ou pior, para envergonhar a Igreja de Cristo.

É duro escrever sobre isso, mais querendo ou não é verdade.